Notícias › 03/06/2016

Colaboração entre a família franciscana 

Quinta-feira, 2 de junho

630

A celebração deste terceiro dia da Trezena de Santo Antônio em Florianópolis teve a presidência do Pároco e Guardião da Fraternidade, Frei Vanderley Grassi. A liturgia foi animada pelos seminaristas das Dioceses de Lages e Joaçaba, que vieram acompanhados de seu formador, Padre Arnildo Primon, que também concelebrou. Na homilia, o pregador da trezena, Frei Gustavo Medella, recordou a presença da Família Franciscana na Arquidiocese de Florianópolis e também chamou a atenção para a necessidade do compromisso cristão com a preservação do planeta Terra, a casa comum da humanidade.

Confira a homilia na íntegra:

TEMA: Irmãos sob o mesmo teto

 “Amo com os lábios pela verdade e coedificação”

Queridos irmãos e irmãs, Paz e Bem! O tema desta quinta-feira nos remete certamente ao fato de os primeiros frades que aqui chegaram terem se alojado junto às dependências da Igreja de São Francisco, de propriedade da Ordem Terceira, hoje conhecida como Ordem Franciscana Secular.

Aproveitamos para recordar então que a Família Franciscana possui três ramos que nascem da inspiração de São Francisco de Assis: a 1ª Ordem, composta pelos frades, atualmente divididos em Frades Menores, Frades Menores Capuchinhos e Frades Menores Conventuais; a 2ª Ordem, também conhecida como Ordem de Santa Clara, são as irmãs clarissas que até vivem uma vida de contemplação e de clausura. Aqui em Santa Catarina temos um mosteiro de clarissas na cidade de Lages; e a 3ª Ordem, conhecida atualmente como Ordem Franciscana Secular, composta por leigos e leigas, pessoas casadas ou solteiras, que escolheram abraçar em sua vida leiga, secular, os valores propostos por São Francisco: a penitência, a vida de oração, a fraternidade, a promoção da paz e do bem.

E, como toda família, embora tenha seus estremecimentos, o nosso sonho, enquanto franciscanos, é o de vivermos unidos e em espírito de mútua colaboração. Esta é a meta que buscamos e aqui em Florianópolis, logo do estabelecimento dos primeiros frades, houve esta manifestação de mútua ajuda e de acolhida comum: os frades residiram nas dependências da Fraternidade Franciscana Secular: Irmãos sob o mesmo teto.

O tema de hoje também pode nos levar a refletir enquanto humanidade. De que maneira temos cuidado de nossa casa comum? Em todos os sentidos: o cuidado com as águas, com as matas e florestas, com o ar que respiramos, a atenção em evitar o desperdício de alimentos, o consumo desnecessário, o cuidado e a atenção com as pessoas. Tudo isto faz parte de um pacto que deveríamos honrar na qualidade de irmãos e irmãs que habitam e dependem desta mesma casa comum.

Cuidar do planeta é cuidar de nós mesmos. Na sua carta encíclica Laudato Sì,  o Papa Francisco insiste várias vezes: “Tudo está interligado”. E diz ainda: “O mundo inteiro sai perdendo a cada escolha egoísta que fazemos”. Esta consciência precisamos ter se de fato cremos na Palavra de Deus, se desejamos de verdade investir as nossas forças em viver o mandamento do Amor que o Evangelho de hoje acabou de nos apresentar: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda tua força! Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

Neste amor integral está o fundamento de nosso amor ao planeta do qual somos parte e não donos.