Liturgia › 10/06/2019

Segunda-feira da 10ª semana do Tempo Comum

liturgiaFlorianopolois1

1ª Leitura

Gênesis 3,9-15.20 (ou At 1,12-14).

Depois que Adão comera do fruto da árvore, 9o Senhor Deus o chamou, dizendo: “Onde estás?” 10E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim e fiquei com medo porque estava nu; e me escondi”. 11Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore de cujo fruto te proibi comer?” 12Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. 13Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me, e eu comi”. 14Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias da tua vida! 15Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. 20E Adão chamou à sua mulher “Eva”, porque ela é a mãe de todos os viventes.

Palavra do Senhor.


Salmo

Sl 86(87)

Dizem coisas gloriosas da cidade do Senhor.

O Senhor ama a cidade / que fundou no monte santo; / ama as portas de Sião /
mais que as casas de Jacó. – R.

Dizem coisas gloriosas / da cidade do Senhor. / De Sião, porém, se diz: † “Nasceu nela todo homem; /
Deus é sua segurança”. – R.

Deus anota no seu livro, † onde inscreve os povos todos: / “Foi ali que estes nasceram”. /
E por isso todos juntos / a cantar se alegrarão; / e, dançando, exclamarão: / “Estão em ti as nossas fontes!” – R.


Evangelho

João 19,25-34

Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo. 28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: “Tenho sede”. 29Havia ali uma jarra de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: “Tudo está consumado”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. 31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz. 32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus. 33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.

Palavra da Salvação.

___________________________

Santa Alice

O nome “Alice”, segundo alguns linguistas, é de origem grega e significa “marinha”; assim são chamados também certos peixinhos. Na mitologia pagã chamou-se Alice uma das ninfas, e precisamente a ninfa marinha, uma Ondina. Mas na hagiografia cristã, Alice é conhecida com o nome germânico de Adelaide. Uma primeira Adelaide, ou Alice, é festejada a 5 de fevereiro, abadessa de Willich, na Alemanha. Outra, é festejada a 24 de agosto, irmã de santo Edmundo de Cantuária, e governou, no século XIII, o mosteiro de Catesby, na Inglaterra.

A santa de hoje é também chamada Aleida ou Alida. Nasceu perto de Bruxelas no início do século XIII e demonstrou, desde pequena, uma inteligência perspicaz e um espírito decidido. Aos 7 anos de idade foi admitida na abadia beneditina de Cambre, na Bélgica, onde surpreendeu a todos por sua espiritualidade e ardente piedade. Apesar da pouca idade entregou-se à oração e à meditação e começou a viver o milagre de uma vida santificada.

Entretanto contraiu, também precocemente, a temida e inexorável lepra, doença que espalhava o medo devido ao perigo do contágio. Ninguém ousava se aproximar de um leproso e Alice, que por estar num mosteiro já vivia segregada do mundo, foi “duplamente” segregada: rigorosamente isolada do resto da comunidade, passou a viver enclausurada num sótão.

Esta foi a grande provação que Deus pediu a Alice e à qual ela respondeu com amor, aceitação e humildade. Suas dores foram sempre consoladas e aliviadas por sua profunda devoção ao Sagrado Coração de Jesus, que ela amou com adoração muito antes que sua devoção fosse adotada e propagada pela Igreja. Padeceu durante anos, perdeu a visão e seus membros da monja escamavam sob a ação da terrível doença: mas Alice fez de seus sofrimentos uma oferta a Deus pelo bem dos outros e pela conversão dos pecadores.

Em 1249 recebeu a Unção dos Enfermos e viveu mais um ano em agonia até ser arrebatada por Deus a 11 de junho de 1250.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Getúlio, Itamar, Luciliano.