Liturgia › 17/05/2014

“Quem me viu, viu o Pai” (17/05/2014)

litur
Evangelho do dia

17“Quem me viu, viu o Pai”

1ª Leitura - At 13,44-52

Salmo - Sl 97, 1. 2-3ab. 3cd-4 (R.3cd)

Evangelho - Jo 14,7-14

7 Se vocês me conhecem, conhecerão também o meu Pai. Desde agora vocês o conhecem e já o viram.»

8 Filipe disse a Jesus: «Senhor, mostra-nos o Pai e isso basta para nós.» 9 Jesus respondeu: «Faz tanto tempo que estou no meio de vocês, e você ainda não me conhece, Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que você diz: ‘Mostra-nos o Pai’? 10 Você não acredita que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que digo a vocês, não as digo por mim mesmo, mas o Pai que permanece em mim, ele é que realiza suas obras. 11 Acreditem em mim: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditem nisso, ao menos por causa destas obras. 12 Eu garanto a vocês: quem acredita em mim, fará as obras que eu faço, e fará maiores do que estas, porque eu vou para o Pai. 13 O que vocês pedirem em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. 14 Se vocês pedirem qualquer coisa em meu nome, eu o farei.»

* 14,1-14: Jesus é o verdadeiro caminho para a vida. Através da encarnação, Deus, doador da vida, se manifesta inteiramente na pessoa e ação de Jesus. A comunidade que segue Jesus não caminha para o fracasso, pois a meta é a vida. Jesus não apresenta apenas uma utopia, mas convida a percorrer um caminho historicamente concreto. Inspirada nos sinais que Jesus realizou, a comunidade criará novos sinais dentro do mundo, abrindo espaços de esperança e vida fraterna.

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral

fio

Santo do dia

174São Pascoal Bailão 

Nasceu  em  Torre Hermosa, no reino de Aragão,  na Espanha, filho de  Martinho Bailão e Isabel Jubera,  a 16 de maio de 1540, festa de Pentecostes, chamada de Páscoa cor de rosa, daí chamar-se Pascoal.  Provinha de uma família numerosa, pobre e humilde, na qual se vivia, no entanto, profundo espírito religioso, devido, sobretudo, à mãe que era devotíssima da Eucaristia.

Biógrafos dizem também que era muito generosa em dar esmolas aos pobres. Pascoal não pôde frequentar a escola porque seu pai precisava que ele cuidasse do rebanho, serviço que executou com grande dedicação até mesmo quando este encargo lhe era ocasionalmente conferido por um ou outro pastor.

Executando seu trabalho distante do povoado e da igreja, passava horas inteiras em oração, privando-se de alimentos para dominar ou adestrar seu corpo. Era desses que tinha o hábito da flagelação. Longe do ruído, nas montanhas, cuidando das ovelhas tinha tempo para rezar, meditar, louvar a Deus e venerar Maria.

De trato amável nos relacionamentos, com sua doçura e serenidade, conquistou a  amizade de muitos pastores que encontrava nas alturas dos montes e  nos vales da Andaluzia e entre os quais começou seu primeiro apostolado com simplicidade e ardor sincero.  Procurava pastagens das quais pudesse ver uma igreja em que se conservava a Eucaristia  para adorá-la enquanto seus rebanhos pastavam,  como confidenciou ao companheiro de trabalho que haveria de dar este testemunho 18 anos depois de sua santa morte.

Quando completou dezoito anos, em Monteforte del Cid, veio a conhecer os franciscanos do convento de Santa Maria de Loreto.  Pensava em poder realizar seu sonho de se tornar religioso. Como isso ainda não lhe era possível  aceitou de realizar o trabalho de pastor junto a um rico  proprietário de ovelhas,  Martino Garcia, que lhe dava a permissão de frequentar o Santuário Mariano e residir junto ao convento franciscano.

Enquanto pastoreava não muito distante do convento caía em êxtase  ao som do sino que anunciava a elevação no momento da consagração . Por fim, a 2 de fevereiro de 1564, já com fama de santidade, pode vestir o hábito  franciscano e, no ano seguinte, fazer sua profissão religiosa no convento dos frades alcantarinos de Orito, onde permaneceu até 1573,  dedicando-se a tarefas muito humildes, de modo particular ao mister de porteiro. Muito estimado pela vida de austeridade que levava e favorecido por dons do Espírito Santo, entre os quais do dom da sabedoria infusa, o iletrado Pascoal – que tinha aprendido a ler enquanto pastoreava o rebanho e depois conseguiu apenas escrever alguma coisa, era  procurado por pessoas eruditas que vinham se aconselhar com ele.  De 1573 até 1589, sua vida transcorreu em diferentes conventos da província de Alicante, passando depois  para a Província de Castellon, no convento de Vila Real.

A obediência o obrigou a fazer uma longa e perigosa viagem até Paris.  O Ministro Provincial da Espanha, em 1576,  necessitava comunicar-se com urgência com o Ministro Geral da Ordem Cristóvão de Cheffontaines.  O dito Ministro sabia bem que era difícil uma tal viagem no tempo das perseguições calvinistas. Na verdade, Pascoal foi muito hostilizado e insultado.  Em Orleans quase veio a morrer depois de uma discussão a respeito da Eucaristia. Esta não foi a única investida contra o frade menor antes que ele chegasse ao seu destino e entregasse  a correspondência que levava para o Ministro Geral.  Voltando desta viagem escreveu um livro com sentenças (pensamentos), um pequeno tratado ou compêndio sobre a Eucaristia. Falava, é claro, da presença real de Jesus neste sacramento e também dos poderes transmitidos ao  Papa.

Mereceu ele receber o cognome de “teólogo da eucaristia”,  não somente por ter resolvido as questões dos adversários na França, mas também pela coletânea de escritos que deixou a respeito do Sacramento da Eucaristia que foi sempre o centro de sua intensa vida espiritual e a marca mais  evidente de sua vida.  Estando sempre à disposição dos confrades e dos que batiam à porta do convento, Pascoal, além disso, continuava a infligir-se penitências e com isto debilitou sua saúde até o limite de capacidade de resistência.

Os últimos anos de vida de Pascoal se transcorreram no convento de Vila Real, em Valência, exercendo sempre o ofício de porteiro e de esmoler, muito estimado por toda a população, de modo especial pelos mais simples e pelas crianças. Todos queriam receber a bênção do frade ao lhe darem uma pequena oferta. Tudo ia sendo assim feito até o dia em que exercendo seu ministério de esmoler perdeu as forças.  Compreendendo que estava próxima a sua morte correu ao seu encontro. De fato, veio a falecer  no convento do Rosário, a  17 de maio de 1592, solenidade de Pentecostes, com a idade de 53 anos.  Foram muitos os que vieram dar o último adeus ao piedoso frade.  Os biógrafos contam, que durante a celebração da missa de exéquias, no momento da elevação do cálice e da patena, seu corpo já enrijecido pela morte reabriu os olhos para fixar o pão e o vinho da eucaristia  dando assim seu último testemunho de apreço pelo Santíssimo Sacramento.

Sua santidade foi confirmada por muitos milagres que espalharam sua fama por todo o mundo católico.  Vinte e seis anos depois, no dia 29 de outubro  de 1618, era proclamado bem-aventurado (beato) por Paulo V e a 16 de outubro de 1690,  canonizado por Alexandre VIII. O Papa Leão XIII, no dia 26 de novembro de 1897, proclamou-o patrono das devoções eucarísticas e, pouco depois, também dos congressos eucarísticos internacionais.

Os restos mortais de São Pascoal Bailão, venerados em Vila Real, foram profanados e espalhados durante a guerra civil espanhola (1936-39). Parcialmente recuperados  foram restituídos à cidade de Vila Real em 1952.

As imagens do santo sempre o representam próximo a um ostensório  Uns vinte pequenos tratados de sua autoria falam de seu profundo amor pela Eucaristia.

(Tradução livre da obra  Frati Minori Santi e Beati, publicação da Postulação Geral da Ordem dos Frades Menores, 2009, p. 253-255)

A Igreja também celebra hoje a memória de Santa Basília.