Liturgia › 06/11/2018

O Reino é para todos

liturgiaFlorianopolois1Lc 14, 15-24

* 15 Ouvindo isso, um homem que estava à mesa disse a Jesus: «Feliz aquele que come pão no Reino de Deus!» 16 Jesus respondeu: «Um homem deu grande banquete, e convidou muitas pessoas. 17 Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: ‘Venham, pois tudo está pronto’. 18 Mas todos, um a um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse: ‘Comprei um campo, e preciso ir vê-lo. Peço-lhe que aceite minhas desculpas’. 19 Outro disse: ‘Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-las. Peço-lhe que aceite minhas desculpas’. 20 Um terceiro disse: ‘Acabo de me casar e, por isso, não posso ir’. 21 O empregado voltou, e contou tudo ao patrão. Então o dono da casa ficou muito zangado, e disse ao empregado: ‘Saia depressa pelas praças e ruas da cidade. Traga para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os mancos’. 22 O empregado disse: ‘Senhor, o que mandaste fazer, foi feito, e ainda há lugar’. 23 O patrão disse ao empregado: ‘Saia pelas estradas e caminhos, e faça as pessoas virem aqui, para que a casa fique cheia. 24 Pois eu digo a vocês: nenhum daqueles que foram convidados vai provar do meu banquete’.»

* 15-24: O Reino de Deus é apresentado como banquete em que Deus reúne os seus convidados. Ainda que os representantes oficiais e os habituados à religião recusem o convite, dando mais importância aos seus próprios afazeres, o Reino permanece aberto para aqueles que comumente são julgados como excluídos: os marginalizados da sociedade e da religião.

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral

______________________________

São Leonardo de Noblac

06O martirológio romano assim se refere a São Leonardo: “Em Limoges, na Aquitânia, S. Leonardo, confessor, discípulo do bem-aventurado bispo Remígio. De nobre ascendência abraçou a vida solitária e distinguiu-se pela sua santidade e milagres. Manifestava uma virtude toda particular na libertação de cativos”. Apesar da grande popularidade deste santo e da difusão do seu culto na Europa Central, com inúmeras igrejas, capelas e localidades a ele dedicadas, os dados relativos à sua vida são escassos.

Leonardo nasceu na Gália no tempo do imperador Anastácio (491-518), sendo seus pais, além de nobres, amigos íntimos de Clóvis, o grande chefe dos francos. Tornando-se moço, Leonardo não quis seguir a carreira das armas e preferiu colocar-se no seguimento de S. Remígio, que se tornara bispo de Reims. Como S. Remígio, aproveitando-se da sua amizade com o rei, tinha conseguido o privilégio de conceder a liberdade a todos os prisioneiros com os quais se encontrasse, também, Leonardo pediu e obteve um poder análogo, que exerceu frequentemente. O rei sentiu-se no direito de oferecer-lhe outra coisa: a dignidade episcopal. Mas Leonardo preferiu retirar-se primeiramente para junto de S. Maximino, em Miey, e depois para as proximidades de Limoges, num bosque afastado. Lá, havia apenas uma casa tosca e simples, que lhe servia de morada. O seu ermo virou ponto de visitação de mais e mais pessoas que buscavam seus conselhos, orações e consolo.

Certo dia, sua solidão foi interrompida de um modo especial. A chegada do rei Clóvis, que praticava uma caçada, acompanhado da rainha Clotilde, então grávida, e que nessa ocasião foi surpreendida pelas dores do parto. O rei, aflito, buscou os cuidados de Leonardo, que eliminou as dores com suas orações e conduziu o nascimento de um lindo menino horas depois. Como recompensa, o rei Clóvis doou aquelas terras a Leonardo.

No local, que ele chamou de “Nobiliacum”, para lembrar o gesto nobilíssimo do seu padrinho, ergueu um altar a Nossa Senhora, que, aos poucos, tornou-se uma intensa e fervorosa comunidade religiosa, culminando com a construção do Mosteiro de Noblac.

Diz a tradição que o monge Leonardo só deixava o mosteiro quando alguma missão o exigia, especialmente quando se tratava de resgatar e converter os pagãos encarcerados. E ainda, ele teria sido visto libertando nobres franceses que estavam prisioneiros dos turcos muçulmanos invasores. O prodígio teria ocorrido por volta do ano 1000, muitos séculos depois de sua morte, em 6 de novembro de 545.

O culto de são Leonardo de Noblac, uma das devoções mais antigas dos fiéis franceses, propagou-se em todo o mundo cristão e foi reconhecido pela Igreja. A festa ocorre no dia 6 de novembro, considerado o dia de sua morte.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Ático.