Notícias › 24/08/2015

Manhã de Espiritualidade

A nossa segunda Manhã de Espiritualidade de 2015, inspirada na Encíclica Laudato si’, do Papa Francisco, ocorreu no sábado passado, dia 22 de agosto, e contou com a participação de 40 fiéis, que tiraram uma manhã inteira para dedicar-se exclusivamente à oração e à formação, pois “não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”, conforme nos recordou o próprio Senhor ao se retirar para o deserto (Mt 4,4; cf. Dt 8,3).

Os fiéis foram chegando por volta das 8h e foram acolhidos com um cafezinho. A seguir, tivemos um momento de oração permeado de muitas canções: convidamos o Irmão Sol com a Irmã luz a se unirem conosco em louvor ao Criador; contemplamos a grandeza de Deus em todas as Suas obras (Quão grande és Tu!); e pedimos a intercessão de São Francisco, padroeiro da ecologia e inspirador da Encíclica (Pai Francisco, vem ensinar os teus filhos a Cristo imitar).

Como a Encíclica trata sobre o cuidado da casa comum, os participantes foram motivados a fazerem uma breve dinâmica em duplas respondendo à pergunta: O que temos em comum? No retorno, foram muitas as respostas: teve quem enfatizou a pertença à mesma fé e à mesma comunidade; outros descobriram surpresos que moravam no mesmo prédio ou que frequentavam os mesmos lugares. Frei André concluiu a dinâmica recordando realidades óbvias, mas que muitas vezes não nos damos conta: respiramos o mesmo ar, nos alimentamos dos produtos colhidos da mesma terra, tomamos a água que jorra das mesmas fontes, vivemos num só e mesmo planeta, casa comum. Portanto, ninguém deve ficar fora. O destino da nossa casa comum importa a todos.

A seguir, Frei André partilhou diversos trechos pinçados do Capítulo II (Evangelho da Criação) e VI (Educação e espiritualidade ecológicas) da Encíclica, enfatizando um olhar a partir da fé cristã e de sua espiritualidade, para uma necessária e urgente conversão ecológica. Se pelo simples fato de sermos humanos não nos podemos esquivar destas questões, para nós cristãos, o cuidado da criação é dever essencial que decorre diretamente da nossa fé no Deus Criador e providente. A Encarnação e a Eucaristia elevam ao mais alto grau a dignidade da criação e manifestam o infinito amor de Deus, a ponto de, em sua inefável condescendência, unir-se definitivamente às Suas criaturas.

Os participantes foram então divididos em grupos para uma leitura e partilha da Carta do Ministro Geral para a Solenidade de Santa Clara, intitulada “Peregrinas e estrangeiras com todas as criaturas”, na qual o sucessor de São Francisco partilha com as irmãs de Santa Clara como a vida desta santa pode nos ajudar a entender melhor e pôr em prática o apelo do Papa Francisco em sua Encíclica.

A manhã foi coroada com um almoço partilhado, no qual, com uma simplicidade verdadeiramente franciscana, todos puderam pôr em comum e receber com gratidão os dons que Deus concedeu para o bem de todos.