Liturgia › 10/06/2017

Jesus condena a dominação intelectual

liturgiaFlorianopolois1Mc 12,38-44

-* 38 E Jesus continuava ensinando: «Tenham cuidado com os doutores da Lei. Eles gostam de andar com roupas compridas, de ser cumprimentados nas praças públicas; 39 gostam dos primeiros lugares nas sinagogas e dos lugares de honra nos banquetes. 40 No entanto, exploram as viúvas e roubam suas casas, e para disfarçar fazem longas orações. Por isso eles vão receber uma condenação mais severa.»

A verdadeira atitude religiosa -* 41 Jesus estava sentado diante do Tesouro do Templo e olhava a multidão que depositava moedas no Tesouro. Muitos ricos depositavam muito dinheiro. 42 Então, chegou uma viúva pobre, e depositou duas pequenas moedas, que valiam uns poucos centavos. 43 Então Jesus chamou os discípulos, e disse: «Eu garanto a vocês: essa viúva pobre depositou mais do que todos os outros que depositaram moedas no Tesouro. 44 Porque todos depositaram do que estava sobrando para eles. Mas a viúva na sua pobreza depositou tudo o que tinha, tudo o que possuía para viver.»


* 38-40: Jesus critica os intelectuais da classe dominante, que transformam o saber em poder, aproveitando-se da própria situação para viverem ricamente à custa das camadas mais pobres do povo. Disfarçando tal exploração com orações, isto é, com motivo religioso, tornam-se ainda mais culpados.
* 41-44: Enquanto os doutores da Lei «exploram as viúvas e roubam suas casas», uma viúva pobre deposita no Tesouro do Templo «tudo o que possuía para viver». É o único fato positivo que Jesus vê em Jerusalém. Por isso proclama solenemente esse gesto («eu garanto a vocês»), em contraposição à solenidade ostensiva dos ricos. Mostra, assim, o significado dessa oferta: as relações econômicas que devem vigorar numa sociedade que crê em Deus são as relações de doação total, que deixam as próprias seguranças, e não as relações baseadas no supérfluo.

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral

_____________________________

Santa Alice

Santa AliceO nome “Alice”, segundo alguns linguistas, é de origem grega e significa “marinha”; assim são chamados também certos peixinhos. Na mitologia pagã chamou-se Alice uma das ninfas, e precisamente a ninfa marinha, uma Ondina. Mas na hagiografia cristã, Alice é conhecida com o nome germânico de Adelaide. Uma primeira Adelaide, ou Alice, é festejada a 5 de fevereiro, abadessa de Willich, na Alemanha. Outra, é festejada a 24 de agosto, irmã de santo Edmundo de Cantuária, e governou, no século XIII, o mosteiro de Catesby, na Inglaterra.

A santa de hoje é também chamada Aleida ou Alida. Nasceu perto de Bruxelas no início do século XIII e demonstrou, desde pequena, uma inteligência perspicaz e um espírito decidido. Aos 7 anos de idade foi admitida na abadia beneditina de Cambre, na Bélgica, onde surpreendeu a todos por sua espiritualidade e ardente piedade. Apesar da pouca idade entregou-se à oração e à meditação e começou a viver o milagre de uma vida santificada.

Entretanto contraiu, também precocemente, a temida e inexorável lepra, doença que espalhava o medo devido ao perigo do contágio. Ninguém ousava se aproximar de um leproso e Alice, que por estar num mosteiro já vivia segregada do mundo, foi “duplamente” segregada: rigorosamente isolada do resto da comunidade, passou a viver enclausurada num sótão.

Esta foi a grande provação que Deus pediu a Alice e à qual ela respondeu com amor, aceitação e humildade. Suas dores foram sempre consoladas e aliviadas por sua profunda devoção ao Sagrado Coração de Jesus, que ela amou com adoração muito antes que sua devoção fosse adotada e propagada pela Igreja. Padeceu durante anos, perdeu a visão e seus membros da monja escamavam sob a ação da terrível doença: mas Alice fez de seus sofrimentos uma oferta a Deus pelo bem dos outros e pela conversão dos pecadores.

Em 1249 recebeu a Unção dos Enfermos e viveu mais um ano em agonia até ser arrebatada por Deus a 11 de junho de 1250.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Getúlio, Itamar, Luciliano.