Liturgia › 12/03/2019

3ª feira da 1ª Semana da Quaresma

liturgiaFlorianopolois1

1ª Leitura

Isaías 55,10-11

Isto diz o Senhor: 10 “Assim como a chuva e a neve descem do céu e para lá não voltam mais, mas vêm irrigar e fecundar a terra e fazê-la germinar e dar semente para o plantio e para a alimentação, 11 assim a palavra que sair de minha boca não voltará para mim vazia; antes, realizará tudo que for de minha vontade e produzirá os efeitos que pretendi ao enviá-la”.

Palavra do Senhor.


Salmo

Sl 33(34)

O Senhor liberta os justos de todas as angústias.

1 – Comigo engrandecei ao Senhor Deus, / exaltemos todos juntos o seu nome! /
Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu / e de todos os temores me livrou. – R.

2 – Contemplai a sua face e alegrai-vos, / e vosso rosto não se cubra de vergonha! /
Este infeliz gritou a Deus e foi ouvido, / e o Senhor o libertou de toda angústia. – R.

3 – O Senhor pousa seus olhos sobre os justos, / e seu ouvido está atento ao seu chamado; /
mas ele volta a sua face contra os maus, / para da terra apagar sua lembrança. – R.

4 – Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta / e de todas as angústias os liberta. /
Do coração atribulado ele está perto / e conforta os de espírito abatido. – R.


Evangelho

Mateus 6,7-15

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7 “Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras. 8 Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. 9 Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. 11 O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12 Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. 13 E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. 14 De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. 15 Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

Palavra da Salvação.

______________________________

São Luís Orione

Fundou a Pequena Obra da Divina Providência, a Congregação dos Padres Orionitas, das Irmãzinhas Missionárias da Caridade, das Irmãs Sacramentinas e dos Eremitas de Santo Alberto (1872-1940)

Luís Orione nasceu no dia 23 de junho de 1872, em Pontecuore, na Itália. Sua família era pobre e honesta, composta por trabalhadores rurais. Sua mãe foi uma sábia e exemplar educadora que lhe serviu como modelo mais tarde. Ao sair da adolescência, aspirava a ser sacerdote. Com o apoio da família, entrou no Oratório Salesiano, em Turim, cujo fundador, João Bosco, ainda vivo, depois venerado pela Igreja, dedicou ao jovem grande estima e lançou no seu coração a semente da futura vocação.

Luís Orione fez o ginásio no Oratório Salesiano, mas concluiu os estudos de Filosofia e Teologia no seminário da sua cidade natal. Em 1892, ainda seminarista, fundou duas escolas para crianças e jovens. Sua ordenação sacerdotal foi em 1895, e desde então se dedicou com ardor à ação pastoral e às obras em favor dos necessitados.

Se São João Bosco foi um exemplo para a educação dos jovens, para as obras de caridade o foi São José Benedito Cottolengo. Incansável, Luís Orione viajou por toda a Itália, várias vezes, pedindo donativos e ajuda material para as suas múltiplas obras de caridade. Ele foi um dócil instrumento nas mãos da Divina Providência, aliviando as necessidades e os sofrimentos humanos.

Em 1908, Luís Orione ajudou a socorrer as numerosas vítimas do terrível terremoto que sacudiu a região da Sicília e da Calábria, na Itália. A pedido do papa Pio X, permaneceu nessa região por três anos. Em 1915, fundou uma congregação religiosa, a Pequena Obra da Divina Providência, para dar atendimento aos pobres, aos trabalhadores humildes, aos doentes, aos necessitados, enfim, aos totalmente esquecidos pela sociedade. Ele também foi o fundador da Congregação dos Padres Orionitas, das Irmãzinhas Missionárias da Caridade, das Irmãs Sacramentinas e dos Eremitas de Santo Alberto, nas duas últimas admitindo inclusive religiosos cegos. Luís Orione plantou bem as sementes, pois logo se tornaram árvores e espalharam raízes por diversos países. As Congregações dos Filhos da Divina Providência e das Irmãs passaram a atuar em vários países da Europa, da América e da Ásia. Possuem milhares de Casas ou Instituições dos mais variados tipos, sobretudo no setor assistencial e educativo. No Brasil, onde estão desde 1914, mantêm várias casas de órfãos, de excepcionais, abrigos para idosos e hospitais. A obra da Divina Providência foi e continua sendo mantida exclusivamente por esmolas e doações.

Faleceu consumido pelas fadigas apostólicas, com 68 anos de idade, na cidade de Sanremo, na Itália, no dia 12 de março de 1940.

O Papa São João Paulo II, em 2004, em Roma, proclamou a canonização do humilde sacerdote Luís Orione, que viveu como um gigante apóstolo da caridade, pai dos pobres, singular benfeitor da humanidade sofredora e aflita.

Texto: Paulinas Internet