Liturgia › 06/08/2019

Festa Transfiguração do Senhor

liturgiaFlorianopolois1

1ª Leitura

Daniel 7,9-10.13-14

Leitura da profecia de Daniel – 9Eu continuava olhando até que foram colocados uns tronos, e um ancião de muitos dias aí tomou lugar. Sua veste era branca como neve, e os cabelos da cabeça, como lã pura; seu trono eram chamas de fogo, e as rodas do trono, como fogo em brasa. 10Derramava-se aí um rio de fogo que nascia diante dele; serviam-no milhares de milhares, e milhões de milhões assistiam-no ao trono; foi instalado o tribunal, e os livros foram abertos. 13Continuei insistindo na visão noturna, e eis que, entre as nuvens do céu, vinha um como filho de homem, aproximando-se do ancião de muitos dias, e foi conduzido à sua presença. 14Foram-lhe dados poder, glória e realeza, e todos os povos, nações e línguas o serviam: seu poder é um poder eterno que não lhe será tirado, e seu reino, um reino que não se dissolverá. – Palavra do Senhor.


Salmo

Sl 96(97)

Deus é rei, é o Altíssimo, / muito acima do universo.

Deus é rei! Exulte a terra de alegria, / e as ilhas numerosas rejubilem! /
Treva e nuvem o rodeiam no seu trono, / que se apoia na justiça e no direito. – R.

As montanhas se derretem como cera / ante a face do Senhor de toda a terra; /
e assim proclama o céu sua justiça, / todos os povos podem ver a sua glória. – R.

Porque vós sois o Altíssimo, Senhor, † muito acima do universo que criastes, /
e de muito superais todos os deuses. – R


Evangelho

Lucas 9,28-36

Naquele tempo, 28Jesus levou consigo Pedro, João e Tiago e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante. 30Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. 31Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte que Jesus iria sofrer em Jerusalém. 32Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele. 33E, quando estes homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo. 34Ele estava ainda falando quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem. 35Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai o que ele diz!” 36Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.

Palavra da salvação.

___________________________

Santo Agapito

Santo Agapito, romano de origem, como sucessor de João II, ocupou a cadeira de São Pedro em 535. Teve o grande merecimento de ter removido o cisma que originou-se entre Dióscoro e o Papa Bonifácio II (530 a 532). O Imperador Justiniano enviou-lhe a profissão de fé católica e Agapito, atendendo ao pedido do mesmo monarca, anatematizou os monges nestorianos de Constantinopla, que passaram a ser chamados Acametas.

Para as costas setentrionais da África, Justiniano enviou o general Belisário, que as reconquistou dos vândalos. Nessa mesma ocasião voltaram para Jerusalém os vasos sagrados do velho templo, que por Tito tinham sido levados para Roma e por Genserico para Cartago.

O território cristão norte-africano foi dividido em Províncias, e num escrito assinado por ele e pelos Bispos africanos, o Imperador pedia ao Papa que permitisse a permanência em suas respectivas igrejas aos bispos arianos que tinham renunciado à heresia. Agapito apelou para as regras e instituições eclesiásticas antigas, que deviam ser respeitadas. Sendo agraciados os bispos hereges, por muito felizes se deviam ter, sem aspirar ainda à honra indevida de serem conservados nos cargos episcopais.

Os senhores da Itália eram os Godos, cujo rei, Teodato, sabendo que Justiniano tinha intenções de guerreá-lo, ao Papa se dirigiu com o pedido de intervir junto ao monarca de Constantinopla para que tal plano não se realizasse. Soube ainda Teodato, por intermédio de sacerdotes católicos na metrópole oriental, que havia grande descontentamento entre os Akefalas (eutiquianos); que acusavam de falsidade ao novo Patriarca Antimo.

Agapito acalmou os espíritos agitados, com a promessa de em breve ir pessoalmente à cidade de Constantinopla. Na viagem ao Oriente aconteceu que curasse um surdo-mudo pela celebração da Santa Missa.

Em 2 de fevereiro de 536 chegou a Constantinopla, onde teve recepção soleníssima. Embora fosse tratado pelo Imperador com o máximo respeito, não lhe foi possível evitar a guerra contra os Godos.

Nas questões religiosas, procurou com grande prudência harmonizar os partidos. Com grande energia se opôs à elevação de Antimo à dignidade patriarcal, e exigiu que esse se sujeitasse às decisões do Concílio de Chalcedon.

A Imperatriz Teodora, que patrocinava a causa de Antimo, tudo fez para conquistar as boas graças do papa em favor do protegido. Justiniano igualmente se fez advogado do Patriarca e, para conseguir o intento, não regateava elogios, promessas e ameaças. Agapito, porém, conservou-se inflexível. Às intimações do Imperador respondeu: “Enganei-me. Julguei estar na presença de um Imperador cristão e vejo-me diante de um Diocleciano”.

Antimo, em vista da inflexibilidade do Papa, declarou preferir a transferência para a antiga Diocese de Trapezunto a sujeitar-se à sentença do Concílio.

Diante dessa atitude do patriarca, Agapito exigiu dele uma declaração formal de catolicidade e de submissão incondicional ao Concílio. Esta firmeza enérgica do Papa revoltou sobremaneira os eutiquianos e a Imperatriz, mas a vitória sobre as cabalas e intrigas foi completa. Em substituição a Antimo foi eleito e sagrado Menas, Prelado de grandes virtudes e de profundo saber.

Uma grave enfermidade interrompeu os trabalhos apostólicos do zeloso Papa. Agapito morreu em Constantinopla, em 22 de abril de 536, sendo os restos mortais transportados para Roma e depositados no Vaticano, em 20 de setembro do ano seguinte.

Referência bibliográfica: Na luz Perpétua,  5ª.  ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico – Juiz de Fora – Minas  Gerais,  1959.